agosto de 2020

O ORGULHO BROTOU – UMA TARDE DE BREAK EM 1984

Nabor Jr.

 

 

 

 

 

 

fotos wagnercelestino

 

 

 

 

 

 

 

(…) Há seis mil anos até pra plantar
Os pretos dança todo mundo igual sem errar
Agradecendo aos céus pelas chuvas que cai (…)
Mano Brown, na música Eu Sô Função, do álbum Exilado Sim, Preso Não (2006), de Dexter.

 

 

 

As manifestações negras performadas por meio da dança surgiram em contextos históricos complexos no Brasil. O traumático processo que separou mulheres e homens africanos escravizados de seus grupos linguísticos e cultural – logo que aqui chegavam – misturando-os com outros, de povos diversos, certamente inscreve-se com destaque na subjetividade presente no gene destes contextos. As muitas vertentes das nossas danças negras expandem o sentido plástico convencional ao movimento e ao ritmo, empregando função ao gesto. É arrebatador.

 

Nos primeiros anos de 1980, quando o break aterisou no Brasil e manifestou-se com pujança em São Paulo, a expansão simbólica intrínseca as manifestações performáticas negras estava lá. O protagonismo do corpo jovem, periférico e negro dos seus atores era ballet, mas também reivindicava uma estética própria, e trazia demandas que nos são caras ainda hoje. Impor uma nova agenda a cidade e exercer o legítimo direito de se sentirem pertencentes ao espaço público, e assim alterar a rotina da região central de São Paulo, era uma delas. A criatividade emancipatória do Hip Hop aflorava-se naquele momento, e a dança, primeiro dos seus elementos a se estabelecer no país, cumprindo sua generosa função expandida.

 

Por isso, não foi por acaso que o jovem fotógrafo Wagner Celestino dirigiu-se justamente à Praça da Sé no fim daquela ensolarada manhã de 1984 para ver o 1° Encontro de Break de São Paulo. Já que no início dos anos 1980, o centro de São Paulo – acompanhando os impactos da reabertura do país, começava a ser tomado por uma grande diversidade de tribos, entre elas uma formada em sua maioria por jovens negros das periferias (muitos deles office boys que já trabalhavam na região). Foram eles que deram os primeiros passos do que à época chamavam de Break Dance, ocupando as imediações da Estação São Bento do Metrô e as escadarias do Teatro Municipal de São Paulo. Este último, palco histórico da manifestação antirracista ocorrida em 7 de julho de 1978 e que culminou na fundação do Movimento Negro Unificado (MNU).

 

A verdade é que a imposição de uma paisagem predominantemente preta, pobre, criativa e espontânea, que se formava no centro conduzida pelo movimento hip hop incomodou. Dizem, inclusive, que foi por implicações de lojistas da Rua 24 de maio que os encontros de break foram transferidos para a Estação São Bento do Metrô.

 

Originalmente surgido nos Estados Unidos na virada dos anos 60 para os anos 70, o break foi um meteórico fenômeno que teve o seu auge no Brasil entre 1983 e 1984. Neste período, a TV brasileira – atenta as movimentações populares que pudessem lhe gerar audiência e lucro – surfou na febre do break.

 

 

O break segue como um elemento importante, mas com o tempo foi superado em interesse pelos outros que constituem o hip hop: o rap, o grafitti e o dj.

 

 

 

A DANÇA DAS SOMBRAS NAS FOTOS DE WAGNER CELESTINO E A DIGNIDADE PRETA

 

Quando fez as fotos do 1° Encontro de Break de São Paulo, com uma câmera emprestada e um filme P&B de 36 poses, Celestino já acumulava certa experiência no registro de atividades sociais e culturais da comunidade negra paulistana, especialmente os desfiles de carnaval, que na época eram realizados na Av. Tiradentes. Com especial interesse em documentar apresentações musicais de artistas negros – constam em seu portfólio retratos de nomes como Clementina de Jesus, Nelson Cavaquinho, Jorge Benjor, Paulo Moura, Egberto Gismonti, John Lee Hooker, Peter Tosh, Baden Powell, Luiz Eça, Alaíde Costa, Itamar Assumpção – o hip hop, por isso, nada mais foi do que uma continuidade dessa predileção de Celestino em construir uma memória visual negra.

 

 

 

 

 

 

Ao mesmo tempo também é possível afirmarmos que o hip hop surgiu por acaso na vida do fotógrafo Wagner Celestino (1952), e despertou o seu interesse pelo mesmo motivo que encantou e seduziu outras milhares de pessoas no país: “O hip hop é uma expressão artística dos jovens das periferias de São Paulo, e mesmo tendo sido um movimento importado de fora, ele sempre foi a voz da periferia, as letras, as danças, enfim, a voz do jovem pobre, trabalhador… e isso me chamou muito atenção”, recorda-se.

 

 

 





Conhecido pela potente série fotográfica A Velha Guarda do Samba Paulista, Celestino começou a fotografar em 1977. As imagens deste ensaio, pela primeira vez reunidas em conjunto, foram produzidas de maneira espontânea e com poucas expectativas pelo então jovem fotógrafo. Porém, não sem o olhar generoso e atento que acompanharia toda a sua carreira. “Essas fotos são uma forma de militância, de resistência. Na época eu não tinha muito essa noção. Eu mesmo bancava os filmes, fazia mais pela nossa causa”.

 


 

 

 

O sol duro e as sombras que se formavam com seu brilho foram manipuladas por Celestino, que aproveitou o cenário para iluminar o semblante juvenil dos participantes do encontro. Sempre altivos, destacam-se também os trajes e movimentos banhados pela luz em constante diálogo com as sombras que se formavam. O que era uma simples documentação ganhou contornos estéticos de pura plástica. Uma memória viva, que hoje temos o privilégio de ver.

 

“Eu sempre gostei de fotografar música, e me lembro que na época esse evento me chamou a atenção. Muito provavelmente eu fiquei sabendo sobre o encontro através do rádio. Não foi nenhum trabalho encomendado. Foi mesmo um interesse em fazer um registro da nossa cultura. (…) Era um dia de sol, um dia muito bonito. E na Sé estava um ambiente legal, a maioria jovens da periferia, entre 15 a 25 anos. Eu acredito que estavam lá entorno de 2 mil pessoas”, recorda-se com carinho.

 

 

PRIMEIRO ENCONTRO DE BREAK DE SP: EU FUI!

 





Entre as cerca de 2 mil pessoas que acompanhavam o 1° Encontro de Break de São Paulo, estava o estava o menino Charles Silva Cavate, o Charles da Zona Leste, como era conhecido, a época com 14 anos.

 

“Me lembro que este encontro ocorreu num dia ensolarado. Havia um romantismo da nossa parte, éramos muito envolvidos com a dança. Me recordo que estava bastante ansioso para vivenciar este dia. Era uma coisa muito nova. Era quase uma revolução. As pessoas passavam e paravam para ver o que estava acontecendo”.

 


 

 

 

Morador da Vila Maria, Charles já dançava funk desde o início dos anos 1980, quando o break entrou na sua vida, em meados de 1983, por meio de algumas raras aparições do gênero na TV. “Na época havia vários grupos. A gente se conhecia na rua e formávamos os grupos. Naquele momento, em 1984, eu não tinha um grupo. Mas nos costumávamos nos juntar e dar nomes aleatórios a esses grupos. Eu participava mais como convidado do Funk Cia”.

 

 

 

 

 

 

O Funk e Cia., liderado por Nelson Triunfo, e o Eletric Boggie, foram os primeiros grupos que Charles conheceu. “Me lembro que fomos ver o Eletric Boogie próximo ao Pq. Ibirapuera, em uma casa noturna, e vimos pela primeira vez um cara dançando break ao vivo. Era um cara dos EUA, com uns passos diferentes. Era a efervescência do começo do break em São Paulo”.

 

 

 

 

 

 

 

Nabor Jr.

Nabor Jr. é fundador-diretor da Revista O Menelick 2° Ato. Jornalista com especialização em Jornalismo Cultural e História da Arte, também atua como fotógrafo com o pseudônimo MANDELACREW.

A Revista O Menelick 2º Ato é um projeto editorial de reflexão e valorização da produção cultural e artística da diáspora negra com destaque para o Brasil.